Arquitecto Luis Candeias | Estúdio de Arquitectura
PT  /  EN

Ao utilizar este website está a concondar com a nossa política de uso de cookies. Para mais informações consulte a nossa política de privacidade e uso de cookies, onde poderá desactivar os mesmos.

OK

Trata-se de um edifício de construção pós-terramoto, com uma composição próxima da arquitectura pombalina, com eixos verticais de simetria, vãos de sacada com grade trabalhada em ferro e revestimento de fachada a azulejo, que se encontra organizado em R/C, 1º e 2º andares e sótão.

No piso térreo encontra-se um estabelecimento de restauração, que não é parte integrante deste projecto. Os pisos superiores são ocupados por habitações com uma unidade por piso. Cada habitação, nos pisos 1 e 2, é composta por sala, dois compartimentos (quartos), uma instalação sanitária e uma cozinha. O sótão apresenta uma sala, um quarto, uma cozinha e uma pequena instalação sanitária.

O edifício encontra-se degradado devido à ausência de conservação regular, ao desgaste da sua utilização e à perda das características de impermeabilização da cobertura, sendo esta responsável pela degradação da escada e dos pisos superiores.
As infraestruturas interiores encontram-se degradadas e não respeitam as regras actuais destas instalações. As caixilharias dos vãos exteriores são em madeira, com vidro simples e encontram-se muito degradadas.
O edifício apresenta um conjunto de elementos e características construtivas, próprias da sua época e que constituem um património que interessa preservar.

Dada a reduzida dimensão do edifício, com uma implantação de 65 m2, as dimensões dos compartimentos existentes, na sua relação com a área de cada piso, não justificam a sua alteração, razão pela qual os mesmos serão mantidos não havendo lugar a qualquer demolição de paredes nem introdução de elementos resistentes de substituição. O último piso, designado como sótão, dará lugar a uma habitação na tipologia T0.

A obra consistirá na remoção de todos os revestimentos que se encontram degradados (mosaicos, azulejos, estuques e soalhos), e na sua substituição por materiais idênticos e compatíveis. Nas situações em que os tectos executados em fasquiado e estuque não possam ser mantidos, será feito recurso à utilização de gesso cartonado. Toda a carpintaria interior será reparada e pintada, mantendo-se, sempre que possível, todas as ferragens existentes.

 

 

Ver mais Projetos